quinta-feira, 29 de maio de 2008

Dropes do dia

29 de maio de 2008

Jirau

Curiosamente são dois os pontos turísticos classificados como naturais e ecológicos, identificados no EIA do entorno de Jirau. Um deles, o Salto de Jirau, com fortes corredeiras e muita beleza visual, fica a 126 quilômetros de Porto Velho e tem uma ilha com pista de pouso; o outro é a Cachoeira do Caldeirão do Inferno, formada por lajes e rochas maciças com belas corredeiras, ilhas e praias.

O primeiro ponto turístico é onde seria o local do projeto original da usina de Jirau e o segundo, distante exatos 9 quilômetros, é o local para onde a Suez pretenderia mudar o projeto.


Bulbo X Kaplan

As turbinas (máquinas para gerar energia) previstas para os projetos das usinas Santo Antonio e Jirau no rio Madeira são as chamadas bulbo. Na reunião feita em setembro de 2007 na Aneel, empresários questionaram tecnicamente Furnas sobre a eficiência dessas turbinas. A resposta não convenceu os presentes. A diferença fundamental entre as duas está na posição do eixo: a primeira tem um eixo horizontal (com entrada e saida da água no mesmo nível) e a outra, chamada Kaplan, é vertical (com entrada da água por cima e saída por baixo).

Nessa mesma reunião, questionados sobre quais os estudos que embasariam serem as turbinas bulbo ambientalmente melhores em relação às Kaplan (afirmação constante no EIA), os representantes de Furnas não souberam responder. Referiram-se a um único estudo, que não sabiam nem o título, nem a autoria e nem os fundamentos.

No entanto, a ex-Ministra Marina Silva afirmou, na sua entrevista de despedida, que o Ministério do Meio Ambiente tinha conseguido a redução dos impactos ao meio ambiente ao exigir que adotassem as turbinas bulbo no Complexo do Madeira. Acho que ela foi enganada mais uma vez!

PBA de Santo Antônio


O Plano Básico Ambiental – PBA da usina de Santo Antônio deveria expor os programas ambientais e os planos de trabalho exigidos, inclusive, pelas condicionantes da licença prévia, mas ele está parecendo mais uma revisão e atualização do EIA.

Isso pode significar que os estudos ambientais, analisados pelo Ibama para atestar a viabilidade ambiental do empreendimento e subsidiar a concessão da licença prévia, não foram suficientes ou confiáveis.

O PBA menciona que “a quantidade adicional de informação gerada após a realização dos estudos apresentados no EIA já é suficiente para justificar uma revisão e atualização daqueles estudos”


COP9

O Ivan Marcelo está fazendo um belo trabalho ao nos manter informados sobre as reuniões em Bonn, Alemanha.


Nenhum comentário:

Postar um comentário