O ambientalismo ‘coleciona’ derrotas, mas desistir não é opção

Por Henrique Cortez

[EcoDebate] A causa socioambiental passa por momentos difíceis, com seguidas derrotas. ‘Novo’ Código Florestal, Belo Monte, usinas no rio Madeira, transposição do Rio São Francisco, expansão do programa nuclear, poluição atmosférica crescente em nossas cidades, contaminação de alimentos e da água por agrotóxicos, abandono completo dos mais elementares cuidados de biossegurança, criminalização dos movimentos sociais, reforma agrária patinando e por aí vai.
Uma observação minimamente crítica indica que tivemos pequenos avanços pontuais e enormes derrotas estratégicas. Os movimentos sociais e populares discutem o que fazer e como identificar as melhores estratégias.
A discussão é pertinente e importante, mas devemos ter o cuidado de observar a estratégia que está por trás dos planos do governo. Estas estratégias estão interligadas e focadas no modelo de desenvolvimento, o desenvolvimentismo produtivista.
Em primeiro lugar, a insustentável expansão da fronteira agropecuária, incentivada pela exportação de grãos e carne, segue implacável.
Em segundo lugar, defende-se a expansão produtivista da capacidade de geração de energia elétrica, ‘esquecendo-se’ de que 20% de nossa energia firme é consumida pela indústria eletrointensiva (quase 500 empresas). Quase 80% das novas usinas projetadas e licitadas foram concebidas para atender este segmento industrial “energívoro”. É o caso das usinas do rio Madeira e de Belo Monte. Este segmento dedica-se, essencialmente, à exportação, tal como o alumínio primário, o que nos faz grandes exportadores de energia e água virtuais.
Na verdade, deveríamos iniciar as discussões sobre este modelo econômico neocolonial escorado na exportação de produtos primários, com destaque para minério, carne e grãos. É necessário questionar a quem serve este modelo e a quem beneficia.
Em terceiro, observem que existe uma estratégia cuidadosamente orquestrada, que inclui temas que, aparentemente, fazem parte de uma agenda secreta. É o caso das usinas do Madeira e Belo Monte, porque parece claro o interesse na hidrovia, novamente para atender aos exportadores de produtos primários.
Quanto ao rio São Francisco, já sabemos as verdadeiras razões da transposição. Mas qual é a lógica de criar novas usinas no rio, inclusive usinas nucleares?
Uma usina nuclear nada mais é do que uma usina termelétrica. Ou seja, simplificadamente, é uma gigantesca caldeira que através da queima de um combustível (gás, carvão ou nuclear) aquece água em alta pressão para girar uma turbina. Uma usina termelétrica, nuclear ou não, com 1,3 mil MW consome, por dia, água equivalente a uma cidade de 100 mil habitantes.
Na atual situação do São Francisco isto seria maluquice, certo? O governo acredita que não, por causa do “adormecido” projeto de transposição do Tocantins para o São Francisco. Este projeto, de Furnas, foi finalizado em meados do primeiro ano do Governo Lula (vejam em http://www.sfiec.org.br/artigos/infraestrutura/Transposicao_tocantins.htm ). O então superministro José Dirceu falou do assunto várias vezes (vejam em http://www.planobrasil.gov.br/noticia.asp?cod=236 ) .
Usinas nucleares também atendem a interesses militaristas. Desde o início do primeiro mandato do governo Lula, ocorreram várias defesas da bomba atômica e vários desmentidos, mas a freqüência com que o assunto volta a tona indica que a agenda nuclear militar pode estar adormecida, mas não está morta.
Bem, esta é apenas uma amostra do que pode estar acontecendo nos bastidores e indica que nossas propostas, quaisquer que sejam, serão solenemente ignoradas.
Os governos, e Lula o fez intensamente, reclamam dos ambientalistas, dos índios, dos quilombolas, dos ribeirinhos, do ministério público, do poder judiciário, dos movimentos sociais e de todos os que não concordam com esta opção pseudo-desenvolvimentista. E reclamam com razão, porque estes segmentos da sociedade não aceitam este modelo de desenvolvimento a qualquer custo.
Fomos considerados adversários porque recusamos este modelo de desenvolvimento neocolonial e porque somos um risco a esta orquestração e ao atendimento da agenda neoliberal. Esta é a essência dos ataques à legislação ambiental e da “flexibilização” dos licenciamentos.
Engana-se quem imagina que esta estratégia nasceu no governo Lula e foi herdada por Dilma. Ela é antiga e possui suficiente força econômica e política para manter-se ativa em quaisquer governos.
Como já disse antes, não vejo, de fato, qualquer diferença real entre o “desenvolvimentismo” de direita e o “desenvolvimentismo” com rótulo de esquerda. Nos dois casos, os perdedores são os mesmos de sempre.
O pragmatismo de governar, atendendo aos grandes interesses econômicos, acolhe em sua base de apoio políticos com longa e consolidada trajetória fisiológica.
Uma visão mais crítica e isenta elimina a ambigüidade e define claramente quem é quem. Quem tem um projeto de poder e quem tem um projeto de país.
Muitos acreditam que um outro Brasil é possível e necessário, meta da qual não nos “cansamos”. Podemos estar aborrecidos e frustrados, mas, definitivamente, não estamos desmotivados e muito menos “cansados”.
O lado bom da história é que esta tragédia anunciada não é irreversível, porque ainda é possível discutir e questionar este equivocado modelo de desenvolvimento. Podemos e devemos tentar mudar o curso deste governo eleito para ser democrático e popular. É o nosso papel e não podemos abrir mão dele.
Teremos o futuro que fizermos por merecer. Nem mais, nem menos.
Portanto, vamos à luta.
Henrique Cortez, henriquecortez{at}ecodebate.com.br
coordenador do EcoDebate

Comentários

  1. REAÇÃO NUCLEAR
    Conhecida há mais de um século, ainda não encontrou meio eficiente de explorar a incrível energia contida no interior da matéria. Se todo o calor produzido pela reação nuclear pudesse ser utilizado diretamente no aquecimento — que constitui o maior componente do consumo dos países de clima frio — metade do petróleo hoje consumido no mundo todo deixaria de ser queimado. O maior beneficiário seria o próprio meio ambiente.
    Reúne tecnologia avançada de combustível com tecnologia ultrapassada de transformação. É limpa e não tem limitação física, pois o combustível — utilizado aos Kg — constitui uma fonte praticamente inesgotável de energia. Mas, é o “processo termodinâmico” da transformação subseqüente à reação nuclear que torna o custo de capital do conjunto maior ainda do que o custo operacional das térmicas a vapor convencional.
    Usinas nucleares são piores ainda que as antigas térmicas que usam caldeiras a vapor, "reminuscência arqueológica da revolução industrial. Inclusive piores do que usinas de biomassa que utilizam bagaço , insumo0 barato que nem oleiros utilizam, mesmo que ofertado gratuitamente para desocupar lugar.
    Tal como motores de veículos, requerem radiadores para dissipar a parte de energia que vai ser jogada fora, senão explodem.


    REATOR NUCLEAR
    Energia nuclear tambem não se presta à produção de trabalho mecânico. Primeiro, a energia química do ‘combustível’ tem de ser transformada em energia elétrica para posterior utilização, como qualquer usina elétrica.
    Tal como as grandes hidroelétricas têm pequenos custos operacionais e pouco polui. Não é por questão do rendimento energético em termos da relação insumo/produto. Ao final, o que realmente conta é o rendimento monetário, em termos de dinheiro, posto que, o combustível – utilizado aos quilos – custa menos do que as toneladas de combustível fóssil das termoelétricas convencionais a vapor.
    Países industrializados que ainda utilizam energia de acionamento vão ter de gastar mais pra produzir o mesmo efeito. O que não constitui obstáculo intransponível para países capitalizados.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O Cordel da Energia

A Amazônia e a Reserva Nacional de Cobre e Associados (RENCA)

Qual, é afinal, o papel da Funai?