Hidrelétricas no Tapajós: Odisseia Munduruku


 Cacique geral do povo Munduruku, Arnaldo Kabá. Foto: economiauol

Telma Monteiro

Eles vão em busca da utopia para adicionar um tanto de sonho às ambições dos jovens guerreiros sem destino delineado.
A insegurança é o pior inimigo contra o qual, hoje, os indígenas têm que lutar. (Telma Monteiro)

Como estamos em plena campanha de mobilização nacional indígena, achei uma boa oportunidade insistir na divulgação desse plano hediondo de construir projetos hidrelétricos nos principais rios da Amazônia.

Falar do desastre que tem sido Belo Monte parece repetitivo. Mas não é. Belo Monte é e sempre será o ícone maldito que retratará um dos piores capítulos da história indígena em território brasileiro.

Da profanação do território sagrado até o véu místico formado por centenas de cânticos e rimas que ecoam nas pedras e nas águas dos rios.
A pressão dos engolidores de floresta acabará se perdendo nos escaninhos da história. 
O silêncio descerá sobre o lugar sagrado e a inocência se dissipará nas espumas.  
Ritos e cerimônias não serão ouvidos e ecoados com o murmúrio das águas do rio poderoso e belo. (Telma Monteiro)

Mas Belo Monte, ao que parece, não será o último símbolo dessa Odisseia. Corre o risco de perder para o conjunto de hidrelétricas no rio Tapajós, o mais recente plano do governo que pretende acrescentar mais uma infâmia à população indígena. É uma  mega canalhice contra os Munduruku, a mega hidrelétrica São Luiz do Tapajós. Ela começou a ser pensada em 1986, mas só saiu do papel em 2001, pelas mãos da Eletronorte, subsidiária da Eletrobras, essa que está sendo investigada na operação Choque deflagrada pela PF.

O Estudo de Impacto Ambiental (EIA) da hidrelétrica São Luiz do Tapajós é tão ruim que foi rejeitado pelos técnicos do Ibama, em dezembro de 2014, a ponto de ter que ser refeito. Mesmo assim, o ministro de Minas e Energia, Carlos Eduardo de Souza Braga, disse que ela vai a leilão em dezembro de 2015.

Só esse primeiro empreendimento, essa “pérola” da engenharia hidrelétrica brasileira, afetaria diretamente 14 mil indígenas Munduruku, distribuídos entre o alto, médio e baixo Tapajós.

Os empreendedores dizem, segundo estudos da Eletrobras e CNEC WorleyParsons, que seriam 664 afetados. A causa da discrepância? Estão pondo a culpa nos próprios Munduruku e sua extensa distribuição espacial.  Eles não estariam dentro da área afetada se não fosse o crescimento da população. Pouco importa se o reservatório tem 729 km², os Munduruku não deveriam estar por ali!  

Os efeitos de remanso na porção do alto Tapajós, em que está uma grande parte da nação Munduruku, foram simplesmente omitidos. Não se estudou as cheias históricas que no futuro podem ser potencializadas pelos sedimentos acumulados a montante (rio acima) e criar um aumento da área alagada.  Em 2014 vimos isso acontecer no rio Madeira, cheia histórica com inundações que afetaram, inclusive, o território boliviano, agravada pelas hidrelétricas Santo Antônio e Jirau.

Os planos do governo são mais abrangentes no caso da bacia do Tapajós. Podem ser sete ou seis hidrelétricas. No caminho estão as terras indígenas Munduruku, Saí Cinza e Kayabi. Esta última acompanha o rio Teles Pires por 280 km. A TI Munduruku ocupa 12% da bacia do Tapajós.

Os Munduruku foram rechaçados pelo governo. Desrespeitados pelas autoridades durante o Acampamento Terra Livre, em Brasília, que aconteceu nesta semana. E ignorados pela grande mídia.
Você ainda vai comemorar o dia do Índio?

Carta Aberta do Povo Munduruku ao Povo Brasileiro, emitida nesta semana, durante o Acampamento Terra Livre (ATL)

Em nome do povo Munduruku, representado aqui pelo cacique-geral Munduruku Arnaldo Caetano Kabá; cacique Juarez da aldeia Sawre Muybu; Josias Manhuari, coordenador da Associação Indígena Pussurú; Maria Leusa, coordenadora do Movimento Iperêg ayû; Adalto Akay, chefe dos guerreiros; Lucivaldo Karo, liderança da praia do Mangue; Valdeni Munduruku, líder da aldeia Teles-Pires.Denunciamos e repudiamos o pronunciamento do ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, sobre seu comentário em que afirma, em audiência pública no Congresso Nacional no dia 15/04/15, “ter bom diálogo com os Munduruku” sobre os empreendimentos de barragens no rio Tapajós, sendo que em nenhum momento o governo ou o Estado brasileiro abriu espaço para o diálogo.Ao invés do diálogo, o governo enviou forças armadas para a nossa região na tentativa de nos intimidar, garantindo os estudos dos pesquisadores em nosso território, mesmo contra nossa vontade.E assim como já nos manifestamos contra a construção dessas barragens em nossos rios, que ameaçam nosso modo de vida em assembleias e manifestações anteriores, voltamos a afirmar, através desta carta, que não aceitamos esse projeto de morte do governo.Afirmamos que procuramos diálogo com o governo no começo deste ano quando entregamos nas mãos do ministro Miguel Rossetto, da Secretaria Geral da Presidência da República, um protocolo de consulta prévia, construída pelo povo Munduruku no qual falamos como queremos ser consultados e NUNCA recebemos respostas do governo federal.Aproveitamos a oportunidade para exigir a demarcação da Terra Indígena Sawre Muybu, no médio Tapajós.Queremos reafirmar que não aceitaremos esses empreendimentos em nossos territórios e resistiremos bravamente pelas nossas vidas.Sawe Sawe Sawe 
                                       Odisseia Munduruku, por Telma Monteiro

Salvos de guerras ancestrais, em regresso,
Desembarcaram em sua própria terra,
Enfrentam os homens brancos que incriminaram a Natureza,
E os desmandos do sedutor que ainda tem que pagar pelos seus erros.
Então, o que diz, ele, o sábio da floresta,
Que diante de águas rasas e poderosas,
Devastado pelo cantar de sereias malignas de além.
Contempla o nascer do sol a jusante,
Escuta o seu rio querido chorar,
Ergue o braço e a sua lança alcança o infinito.
O grito de guerra anuncia o futuro.

Comentários

  1. Telma Monteiro, olá !

    Verdade: - O "Homem" consegue alterar em um ano o quanto a Natureza se altera em Séculos‼

    As obras do PAC, na Região Amazônica refletem bem o estilo Corsário nestes 12 anos do desgoverno que assola o Brasil.

    O Delta do Amazonas já se encontra assoreado pelos sedimentos em suspensão criados na implantação de tais hidrelétricas.Anualmente, as cheias alcançam as cotas que eram consideradas com recorrência secular‼
    Os "sábios" podem afirmar que isto foi já consequência da sobrelevação marítima, que o aquecimento global promove. Porém, afirmo, que se fosse só a sobrelevação do Oceano, a Pororoca avançaria muito mais que avança.

    Infelizmente, não possuo acesso para realizar uma Análise Morfológica no Delta, mas posso afirmar que já alcançou uma situação que torna sua recuperação, economicamente, inviável.

    Embora antigo, o "Pare Belo Monte" é atual sim, já que prosseguir com o PAC é crime ( técnico, econômico social e ambiental ) comprovado pelas consequências já reais.

    A Região Amazônica é "sui generis" , então qualquer ação objetivando sua ocupação, mesmo restrita, tem que ser planejada com soluções apropriadas para respeitar o seu sensível equilíbrio ecológico.

    Os nossos Povos Silvícolas podem assessorar, neste sentido, porém os "brancos" os desdenham, isto nunca é considerado.
    Aliás, quando a Constituição determina a Consulta aos indígenas que ocupam determinado sítio que poderá sentir algum impacto de um cogitado projeto, o que Ela, realmente afirma é que a Opinião Final do Povo Silvícola É Soberana.

    Muito teria para lhe transmitir, Amiga, mas o texto já se prolongou além do previsto ...

    Abraços à todos !
    Somel Serip.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O Cordel da Energia

A Amazônia e a Reserva Nacional de Cobre e Associados (RENCA)

Qual, é afinal, o papel da Funai?