Jirau: contrato de fornecimento garante antecipação da operação comercial

SPE aguarda apenas liberação da LI, que permitirá implantação definitiva da usina, bem como a liberação do financiamento pelo BNDES
Com a assinatura do contrato de fornecimento de unidades geradoras, a hidrelétrica de Jirau (RO, 3.300 MW) caminha rumo à implantação definitiva. Segundo o presidente da sociedade de propósito específico Energia Sustentável do Brasil, Victor-Frank Paranhos, a contratação de 28 turbinas bulbo, fechada no último dia 12 de dezembro e anunciada nesta segunda-feira, 22, permitirá que a primeira unidade geradora possa iniciar operação comercial em fevereiro de 2012, onze meses antes do prazo inicial previsto para o empreendimento. Leia...
A empresa aguarda apenas a liberação da licença de instalação, que permitirá a implantação definitiva da usina, bem como a liberação do financiamento pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Segundo ele, o banco não pode liberar os recursos sem a LI. Na semana retrasada, contou, a SPE entregou ao Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis o Projeto Básico Ambiental que, de acordo com Paranhos, foi desenvolvido com a participação de oito universidades do país
Paranhos comentou que a empresa decidiu contratar as 28 unidades geradoras do consórcio formado por Alstom, Voith Siemens e Andritz Va Tech, deixando as outras 16 unidades geradoras de modo a diversificar o fornecimento e acelerar a motorização do empreendimento. De acordo com o vice-presidente da Alstom Brasil, Marcos Costa, a Energia Sustentável do Brasil pretende construir as duas casas de força da usina em paralelo e isso não daria ao grupo a condição de cumprir os prazos.
O contrato abre espaço ainda para a entrega das 16 turbinas restantes, já que o consórcio de fabricantes assinou com a geradora uma opção para compra das unidades remanescentes, cujo exercício deve ser feito até meados de 2009. Paranhos destacou ainda que a SPE deve anunciar "em breve" a contratação do fornecedor das 16 unidades geradoras restantes - em fase final de negociação.
Líder do consórcio de fabricantes, a Alstom será responsável pela construção de 19 turbinas e 22 geradores, ficando o restante dividido pelos demais integrantes. Costa ressaltou ainda que o contrato prevê entrega de reguladores de velocidade, sistemas de monitoramento, barramentos blindados e aparelhos de proteção contra sobrecarga, além da a supervisão de montagem e comissionamento.
Ainda de acordo com o vice-presidente da Alstom, a fabricação será feita na unidade de Taubaté, que abriga também a montagem das 44 turbinas de Santo Antônio. Para isso, comenta o executivo, a unidade receberá ao todo € 17 milhões em investimentos para ampliação da capacidade produtiva, também com vistas a outros projetos, como a hidrelétrica de Belo Monte (PA, 11.181 MW), com previsão de ser licitada em 2009.
Paranhos e Costa avaliam que a entrega dos equipamentos no canteiro não terá problemas de logística. Segundo o executivo da SPE da usina, o plano é que os equipamentos cheguem a Manaus e sigam por balsa pelos rios até Porto Velho e até a hidelétrica. "os rios são navegáveis", destacou Paranhos. Fonte: Rondonoticias

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Cordel da Energia

A Amazônia e a Reserva Nacional de Cobre e Associados (RENCA)

Qual, é afinal, o papel da Funai?