Créditos de carbono podem contribuir para a destruição dos rios brasileiros


Consórcios responsáveis pelas usinas do Madeira e investidores em PCHs correm atrás de créditos de carbono.

Nos últimos dias algumas notícias divulgadas em diversos órgãos da imprensa e em sites alternativos chamaram nossa atenção. Houve um aumento considerável no número de Pequenas Centrais Elétricas (PCHs) sendo autorizadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e os consórcios responsáveis pelas usinas do Madeira estão fazendo projetos para certificação de créditos de carbono.

Associações ligadas ao setor de energia sugeriram ao Ministério de Minas e Energia a realização de leilões de reserva para PCHs. Parece que o Proinfa está indo muito devagar com a segunda etapa do plano que ainda não decolou, e os investidores têm pressa.

Essa pressa está diretamente ligada a outro detalhe, também noticiado nesta semana, sobre os projetos de crédito de carbono do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) da Organização das Nações Unidas. A tonelada do carbono seqüestrado está valendo €12. Os responsáveis pelos pequenos empreendimentos hidrelétricos estão correndo atrás desses créditos para incrementar suas receitas.

Os consórcios donos das usinas Santo Antônio e Jirau, no rio Madeira, já estão preparando seus projetos para a obtenção dos certificados de créditos de carbono. Será Interessante descobrir quais os argumentos que utilizarão para provar que a energia que pretendem gerar seria limpa!. (TM)

Comentários

  1. Também estou curiosa!
    Barra Grande tb confeccionou um projeto MDL, apesar de não tê-lo apresentado para análise. Basta vc ler o PDD Barra Grande pra vc ter uma idéia dos argumentos que eles apresentam para serem vistos como um projeto sustentável.
    Fiz um texto e se vc tiver curiosidade, acesse http://mercadoetico.terra.com.br/arquivo/barra-grande-e-mecanismo-de-desenvolvimento-limpo-sera-possivel/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O Cordel da Energia

A Amazônia e a Reserva Nacional de Cobre e Associados (RENCA)

Qual, é afinal, o papel da Funai?