Drama ecológico de Belo Monte


As hidrelétricas são uma agressão à natureza.

Seus operadores tomam para si o papel de definir de forma antinatural a vazão remanescente dos rios, a chamada “vazão ecológica”.

Só a própria natureza pode determinar a quantidade de água necessária para a sustentabilidade ecológica de um rio sazonal como o Xingu, em todos os anos e em todas as estações do ano.

O hidrograma ecológico proposto para Belo Monte não garantiria vazões mínimas para permitir a navegação na seca e vazões que inundem as florestas aluviais e nem a dinâmica natural hídrica do rio Xingu, no trecho de 100 km a jusante da barragem Pimental, na Volta Grande, considerando a sazonalidade regional.

Ao contrário do que afirma o EIA, o ecossistema desse trecho, com a barragem, não suportaria vazões insuficientes nas planícies de inundação, pois o ecossistema dos pedrais estaria ameaçado. O manejo inadequado poderia causar problemas ambientais como a redução da biodiversidade e a extinção de espécies de peixes. O ciclo reprodutivo de peixes e algumas espécies da flora dependentes da inundação das planícies não resistiriam a esse estresse hídrico.

Os desenvolvedores dos estudos ambientais de Belo Monte querem garantir que a quantidade de água a ser liberada pela barragem seja variável conforme os meses do ano. Como seria possível manejar a operação do reservatório na tentativa de reproduzir a dinâmica de sazonalidade imprescindível para a fauna e flora e a manutenção das características naturais dos pedrais?

Os responsáveis pelo estudo do hidrograma ecológico concluíram “que a regra prevista na Resolução da ANA, ou seja, o hidrograma ecológico apresentado [...] será cumprido com folga.”

Isso significaria que, no papel de “deuses”, eles controlariam a quantidade de água que passa pelo Xingu em cada época do ano, como determinado pela Agência Nacional de Águas (ANA).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um golpe chamado Belo Monte - Parte 3

A Amazônia e a Reserva Nacional de Cobre e Associados (RENCA)

Fundo Amazônia: o buraco sem fundo? – Parte 1