Peru: interconexão energética

O que está em jogo? O Peru ainda não calculou quanto seu mercado interno usará da energia procedente das hidrelétricas que serão erguidas na Amazônia desse país em razão do acordo assinado no dia 16, entre o presidente Alan García e seu anfitrião, Luiz Inácio Lula da silva. 

Comentários

  1. Prezada Telma Monteiro:
    Financiar países e multinacionais brasileiras para vender tecnologia de hidroelétricas é uma coisa. Outra — celebrar acordo de importação de energia de outros países latino americanos — é procurar 'chifre em cabeça de cavalo'. Quem garante que "na hora H eles não vão roer a unha", como já o fizeram os "mui amigos" Rafael Correa, do Equador ; o padre "inseminarista", do Paraguai e o Índio, da Bolívia no recente epsódio do gas e das hidroelétricas confiscados?
    Exportar tecnologia é o que busca todo país capitalista que se preze. Ou agora que — yes, nós temos nossas multinacionais — vamos ficar envergonhados e renunciar ao direito de exportar tecnologia e permanecer na política burra de exportar comodities agrícolas e minérios?

    ResponderExcluir
  2. Notícas recentes: "Votorantim investe R$500 milhões na sua unidade de cajamarquilla, no Peru para produção de "indio metálico", elemento químico de alto valor agregado, essencial na fabricação de monitores de cristal líquido e plasma...."
    Logo surgirão comentários maldosos do tipo:
    "multinacional brasileira está explorando os simpáticos índios peruanos"
    comentário do Kiko:
    "é no que dá fazer negócio com gentalha, gentalha".
    Ditado mineiro:
    "Fazer sociedade com pobre é o mesmo que pedir esmola pra dois".

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O Cordel da Energia

A Amazônia e a Reserva Nacional de Cobre e Associados (RENCA)

Qual, é afinal, o papel da Funai?