Belo Monte e a presença do Estado


Imagem - adital.com.br
Apesar de ter preço de hidrelétrica grande, Belo Monte, na prática, irá gerar menos do que a metade de seu potencial energético, devido ao regime de chuvas da região onde será construída, no interior do Pará.

É daí que vem o principal fator que levou, aos poucos, à estatização do empreendimento, já que a geração de receita será muito baixa em relação ao ritmo dos custos. “As estatais acabaram tendo mais peso na formação final (do consórcio) porque exigem taxas de retorno mais baixas que a iniciativa privada. Isso com certeza colabora para segurar para baixo o preço do megawatt”, avalia o consultor Marcelo Parodi, sócio da comercializadora de energia Compass. Leia mais...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Cordel da Energia

A Amazônia e a Reserva Nacional de Cobre e Associados (RENCA)

Qual, é afinal, o papel da Funai?