Edison Lobão promete mais três megahidrelétricas na Amazônia

Além das cinco usinas do Rio Tapajós, o Ministério de Minas e Energia prepara o leilão de outras três megahidrelétricas na Região Amazônica. Os detalhes do projeto e o local de instalação das geradoras serão anunciados até maio. Para acelerar o processo, o governo vai licitar as três usinas em bloco e não separadamente, como foi feito no complexo do Rio Madeira. Fonte: Ife

Ministério Federal vai investigar a violação dos direitos humanos em Jirau

O MPF-RO instaurou um inquérito civil público para acompanhar as ações do Poder Público a respeito dos incidentes ocorridos na usina de Jirau, verificando, entre outros assuntos, os mecanismos criados para garantir a segurança dos moradores de Porto Velho e também dos trabalhadores da hidrelétrica. No inquérito, o MPF-RO também fará a investigação sobre eventual violação dos direitos humanos dos trabalhadores, por meio de assédios ou violências praticadas por prepostos ou pessoas contratadas pelas empresas construtoras. Fonte: Ife

Conflitos na usina de Santo Antônio

Duas assembleias selaram ontem a retomada das obras no canteiro da usina Santo Antônio, em Rondônia. Os 16 mil operários da obra da Odebrecht aceitaram descruzar os braços a partir de hoje para recuperar quase uma semana de paralisação das atividades depois dos conflitos ocorridos na vizinha usina de Jirau, no rio Madeira. Embora tenham avançado agora, as negociações mais difíceis ainda estão por vir. E continuam a ameaçar a estabilidade do canteiro de obras. Uma assembleia geral convocada pelo sindicato da categoria para domingo, que marcará a campanha salarial de 2011, deve exigir da Odebrecht uma ginástica financeira ainda maior. Fonte: Ife

Comentários

  1. LOBÃO E O CORDEIRO

    Essa é mais uma fábula da nossa maior sumidade em matéria de energia: Lobão, o outro é claro.
    Qualquer estudante de geografia sabe que reservatórios de foz não produzem efeito retroativo sobre usinas de montante (Jatobá, Cachoeira do Caí, etc.). “Águas passadas não movem moinho”.
    Sobrevoei o Rio Tapajós (pelo Google é claro) e constatei que São Luiz está quase ao nível do mar numa baixa altitude. Mesmo que fosse construído um imenso reservatório das três usinas, como a foto parece indicar a energia potencial armazenada – produto do volume pela altitude -- seria ínfima.
    Ainda que existisse alguma, a interligação com outras usinas seria inútil porque ‘não há transferência de energia potencial entre rios isolados de mesmo regime sazonal’.
    A região Amazônica não é uma bacia única integrada, mas um conjunto de rios isolados sem ligação física que possibilite a transferência, como nos rios do Sudeste.
    È como interligar duas barras de mesma tensão em um circuito elétrico.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O Cordel da Energia

A Amazônia e a Reserva Nacional de Cobre e Associados (RENCA)

Qual, é afinal, o papel da Funai?